” … A rainha Marika sumiu, e então a Noite das Facas Negras fizeram Godwyn, o dourado, perecer. Com isso, semideuses reivindicam os fragmentos do Elden Ring …
.. Uma guerra se iniciou, aonde nenhum lord saiu vitorioso e em meio disso, você se levanta mais uma vez, a quem a Graça abençoaria novamente, oh maculado sem nome, cruze a névoa até as Terras Intermédias.”

Desenvolvido por: FromSoftware
Publicado por: Bandai Namco
Série: Elden Ring
Lançamento: 25 de fevereiro de 2021
Gênero: RPG de ação
Classificação: 18 anos.
Modos: 1 jogador e Multijogador

Disponível para: PS5, Xbox Series, PS4, Xbox One, e PC

Essas palavras logo acima é apenas um pequeno trecho da abertura de Elden Ring e com toda a certeza mostra que a história é muito mais profunda do que aparenta ser.

                             Um Dark Souls 4?

Elden Ring se inicia como qualquer outro game da Fromsoftware, criando o seu personagem. Todas as classes que vimos em Dark Souls se faz presente aqui, o que muda é os nomes dados para cada classe, como Guerreiro, Samurai, Astrólogo e por ai vai.


Após isso, podemos enfim controlar nosso personagem e para mim, Hidetaka e sua equipe tiveram inspiração em The Legend of Zelda: Breath of the Wild, pois ao sairmos da dungeon inicial, o vasto mundo das Terras Intermédias nos é apresentado quase que da mesma forma como é apresentado em Breath of the Wild. Existem outras referências ao longo do game, mas vou comentar isso depois. O que posso dizer é que se você já jogo qualquer game da franquia Dark Souls, se sentirá praticamente em casa, posso dizer que é praticamente um Dark Souls 4 tamanha semelhança entre os títulos da Fromsoftware

                             Um vasto mundo para se explorar

Por um tempo, debati entre meus amigos sobre como a formula de Dark Souls poderia evoluir depois de games como Bloodborne e Sekiro. Já pude jogar outros games que segue esse mesmo estilo “Souls-Like” como Nioh, Lords of the Fallen, Mortal Shell e The Surge e de todos esses, o que eu mais curti foi Nioh, mas ainda sim, não trazia nada de especial para a fórmula iniciada em Demon Souls, lá para o saudoso Playstation 3.

E não é que a Fromsoftware me vem com Elden Ring, trazendo uma ambientação familiar e ao mesmo tempo tão novo, tão diferente e tão vivo com o qual eu nunca imaginaria que poderia ser possível. Foi um belo tapa na minha cara, que mesmo me deixando incrédulo, ainda sim me faz me sentir tão feliz em poder jogar essa obra de arte.
Caro leitor ou leitora, eu que vós escreve não sou nem de longe um pró player em Souls Like, muito pelo contrário, sou um jogador bem mediano na franquia e jogo esses games na maior pressão e num sufoco que vocês não fazem ideia, mas por algum motivo, Elden Ring me faz querer joga-lo e joga-lo cada vez mais. Tudo é muit bem feito, cada região possui o seu próprio layout, o seu próprio clima e seus próprios inimigos. Aqui podemos ir para qualquer lugar, você é quem escolhe o seu caminho. Está afim de seguir para o sul e ver o que tem por lá? Então vá! Quer seguir para leste e saber do porque essa região chove tanto? Então vá! Mas fique sabendo que, cara região do mapa possui inimigos que podem ou não serem equiparáveis ao teu nível de personagem e/ou equiparáveis aos seus equipamentos. O game e momento algum vai impedi-lo de seguir certo caminho, mas os inimigos e chefes de certas áreas, serão os limitadores de progressão, não deixando com que prossiga para certos locais caso você esteja fracos demais.

Similar a The legend of Zelda: Breath of the Wild, podemos marcar um lugar no mapa e ir até essas marcação e ver o que tem por lá. Por vezes podemos encontrar de forma totalmente sem querer, uma Dungeon ou Catacumba e nela, podemos explora-la à vontade em busca de itens, equipamentos ou até mesmo encontrar NPC’s que poderão nos vender novas magias, itens que auxiliam à derrotar um chefe e por ai vai. Vale lembrar que em cada uma dessas Dungeons ou Catacumbas, ao término delas, iremos enfrentar um chefe que pode ser fácil ou difícil, dependendo do level do personagem e de qual tipo de “espirito” você equipou e o convoca com o sino. Ah mas eu ainda não falei sobre o Sino de Invocação não é mesmo? Que falha a minha, mas de forma bem rápida, após explorarmos um pouco o mapa ao norte, que é o objetivo principal do game, podemos conhecer uma moça na qual nos dá um Sino e com ele uma invocação da matilha de lobos. Essa opção de “summonar” espíritos só podem ser feitas em determinados locais, geralmente em lutas contra os chefes e auxiliam o jogador à derrotar um boss de forma mais fácil. Podemos encontrar outros espíritos espalhados pelas Terras Intermédias.
Esses espíritos ajudam bastante ns lutas, mas nem de longe deixam as mesma fáceis demais. Para aqueles que são jogadores mais Hardcore, é só enfrentar um boss sem a utilização do Sino e veras o quanto Elden Ring pode ser implacável.
Bora Pé de Pano!

Explorar as Terras Intermédias à pé seria muito, mas muito cansativo. Para isso, foi colocado no jogo um anel em que possamos invocar um Cavalo, uma montaria que nos ajuda à seguir certos caminhos que não poderíamos alcançar de uma forma normal. O Torrente, o nosso corcel, pode correr e pular em certas plataformas ou subir em locais mais altos. Eu disse pular certo? Esse cavalinho tem pulo duplo e pode usar bolsões de ar em certas partes do mapa para subir vários e vários metros ao céu e alcançar picos de montanhas ou torres de castelos. O Torrente possui uma barra de vida individual da nossa e caso a vida dele chegue à 0, ele desaparece e pode levar um tempinho até que ele fique disponível novamente. Esse Pé de Pano é uma mão na roda!

                                E agora? Para aonde eu vou?

Em um primeiro momento, olhar o mapa de Elden Ring pode causar medo e até confusão, deixando sem saber para aonde temos que seguir para que a história possa proceguir. Para isso, basta olhar nas área de descanso, chama aqui de “Graça”, mas que na verdade é uma Bonfire de Dark Souls. Esses locais emitem luzes douradas que sempre nos mostram para qual caminho temos que seguir. Mesmo no inicio, seguir logo de cara para o caminho principal para derrotar o primeiro verdadeiro Boss do jogo pode ser um tanto quanto difícil, deixando claro que é melhor explorar o mapa e farmar uns level’s à mais para enfim, ir para o boss do modo história.

A ordem agora é Craftar!

Por mostrar um mapa aberto, Elden Ring implementou o sistema de “Craft”, aonde podemos criar itens à partir de coisas que encontramos pelo mapa. Existe uma infinidade de objetos espalhados pelas regiões das Terras Intermédias. Folhas, Runas, Pedras, frutas, ossos, carnes e muito mais. Com elas, podemos criar itens que curam veneno, sangramento e todos os tipos de adversidades que podemos sofrer.
Para isso, é necessário comprar um kit de criação com o primeiro mercador do jogo e se quiser, pode comprar alguns documentos que nos ajudam à expandir as nossas capacidades de criação.

Já as armas, podemos encontrar as chamadas “Pedras Sombrias” nos dá a chance de aumentar as capacidades de nossas armas, escudos e cajados. Em determinado momento do jogos, podemos ir para um certo local e lá, melhorar nossas armas e “embuir” nossas armas com espíritos e deixa-la mais forte.

Uma nova forma de jogar multiplayer

Antigamente, na franquia Souls, podíamos jogar com outros amigos, desde que fizéssemos uma sala privada e chamássemos os nossos amigos. Também era possível invocar outros jogadores para nos ajudar em uma luta contra algum Boss. Para isso, era necessário achar alguma inscrição dourada no chão e invocar outro jogador. Também era possível encontrar inscrições em vermelho, nada mais eram do que outros jogadores que apenas queriam lutar contra a gente. Por vezes, sem ao menos a gente querer, alguém nos invadia e corríamos o risco de perde a luta e ter de andar tudo o que já havíamos percorrido, apenas para reconquistar nossas almas perdidas. Por enquanto, não fui invadido por nenhum outro player, apenas por NPC’s em vermelhos que fazem parte do jogo, ou seja, até aonde eu vi, não tem invasão no seu jogo sem a sua vontade.

                 Desempenho entre as plataformas.

É cada vez mais engraçado ver o quanto os consoles de vídeo game estão mais parecidos com os computadores, digo isso pela forma de como podemos escolher como um jogo vai se comportar em determinado console.
Elden Ring no Playstation 5 e Xbox Series X possuem a opção de “Qualidade” e “Desempenho”. Na primeira opção, Elden Ring roda com vários efeitos de partículas na tela, sombras dinâmicas, um belo efeito de névoa, fogo e água, mas o game roda entre 40fps à 30fps. Já no modo Desempenho, alguns efeitos são suavizados ou até mesmo retirados do game, mas o game roda à 60fps cravados.


No Xbox Serie S também temos mas mesmas opções de qualidade e desempenho, mas no Serie S colocar no modo Qualidade apenas faz com que o game ganhe alguns efeitos novos, ou melhorados e, sendo bem sincero, não muda muito do que é visto no modo desempenho. Apenas deixa o jogo mais bonitinho, rodando à 35fps/30fps. No modo desempenho, o game roda à 60fps, mas seus gráficos ficam bem similares aos visto em seu formato normal no Xbox One X, ou seja, é uma versão de Xbox One rodando à 60fps e só.
No Playstation 4 Base e Xbox One Base, Elden Ring roda entre 30fps até 26fps. Essa queda de Frame Rate se dá geralmente em campos abertos, com muitos inimigos/objetos e também pode ocorrer quando se está chovendo no game. Já nos consoles Playstation 4 Pro e Xbox One X o game pode variar entre 45fps à 50fps. Mesmo assim, em todos esses consoles, o game roda muito bem, com loads rápidos e até aonde eu vi, sem bugs gráficos ou bugs na qual prejudicam a partida. Nos consoles o game está muito bem otimizado.

Já nos PC’s a história é outra. Não pude jogar essa versão no computador, mas pelo que pesquisei e conversei com amigos, a versão PC possui quedas bruscas de fps, um Drawn Distance com objetos aparecendo do nada, algumas engasgadas no meio da partida e problemas nas partidas online. Infelizmente isso sempre ocorre com algum lançamento da Fromsoftware para os PC’s, sendo corrido por meio de Patch no decorrer dos dias.

                                            Vale a Pena?

Amigos, eu sou um cara muito chato quando se trata em comprar um game em seu lançamento. Hoje em dia os jogos estão tão caros que a melhor coisa à se fazer é ter paciência e esperar por um ano ou dois e compra-los em uma promoção por menos de R$99,00. Mas posso dizer livremente que Elden Ring vale cada centavo em seu valor sugerido. O game é gigantesco, com muitos lugares para se explorar, segredos para serem descobertos e chefes desafiadores prontos para nos deixar impressionados e ao mesmo tempo com raiva a ponto de querer estralar o controle na parede!
Sua história, idealizada por Hidetaka Miyazaki e George R.R Martin colabora ainda mais para nos fazer desvendar os mistérios das Terras Intermédias. Regiões diferentes umas das outras, chefes gigantescos e impressionantes pela suas agressividades, jogabilidade um pouco complicada de inicio, mas que se torna orgânica com o passar do tempo fazem de Elden Ring um grandioso candidato para GOTY de 2022.
Se vale a pena? Vale e muito cada centavo cobrado nele e vale cada segundo que você gastar jogando essa obra de arte.

Nota 10

Deixe um comentário