No final da vida útil do Sega Saturn, a Sega fez o impensável: Criou um game totalmente original aos moldes de Resident Evil. Deep Fear sem sombra de dúvida é um dos melhores jogos na qual o Saturn já teve e infelizmente poucas pessoas o conhecem. Mas não tema meu amigo, estou aqui para mostrar um pouco desse excelente game.

FICHA TÉCNICA

✔ Desenvolvedora: Sega WoW
✔ Produtora: Sega
✔ Gênero: Ação | Survival Horror
✔ Lançamento: 1998
✔ Jogadores: 1 jogador
✔ Plataforma: Saturn

O PERIGO VINDO DO ESPAÇO!

A raça humana vem buscando vida no espaço desde o inicio da Guerra Fria e a corrida espacial entre Estados Unidos e a já dissolvida União Soviética. Desde então, muitos experimentos foram realizados tendo como objetivo, explorar o espaço.

Antes mesmo do primeiro homem (Russo) ir para o espaço, e o primeiro homem (Americano) pisar na Lua, as duas nações enviavam animais para o espaço, como Cachorros e Macacos que, infelizmente não tinham a sorte de voltar para a Terra e muitos sucumbiam à fome e morriam no espaço, vagando eternamente no breu eterno.

Deep Fear começa exatamente no pouso de uma capsula que contém um Macaco à bordo. Esse bichinho foi enviado ao espaço e por sorte, conseguiu retornar para a Terra e com ele um pedaço de meteorito. Essa Capsula caiu em alto mar e foi resgatada e levada por um submarino para uma base subaquática próxima do local chamada de “Big Table”.

Infelizmente o submarino não conseguiu chegar até a Big Table pois próximo do local, ele sofreu alguma pane e teve que ficar parado aonde estava.

Dentro da Big Table encontrava-se John Mayor, um ex-fuzileiro naval que fazia parte da tripulação como Membro de Resgate e Emergência de toda a base de pesquisa.

John não se encontrava em suas melhores condições, isso porque ele foi acometido por uma gripe extremamente forte e só saiu da cama porque recebeu um chamado de emergência vindo do submarino “encalhado”. Mesmo não se sentindo muito bem, John pegou um mini submarino e partiu para o resgate dos tripulantes do outro submarino encalhado. Chegando ao local, John se depara com um tripulante caído, que sem hesitar, pede para que ele o mate! John fica sem reação e num instante seguinte, o cara começa a gritar e se transformar! Garras saem de seus ombros e antenas, parecidas como de uma formiga, saem da cabeça do homem. John percebendo o perigo, empunha sua pistola e senta a bala no cara. Ainda confuso com o que acabou de acontecer, John segue caminho em busca de sobreviventes.

Na porta seguinte, ele encontra um macaco e uma pesquisadora caída no chão, que estranhamente era muito parecida com sua exnamorada. Mesmo em choque, John ajuda a moça à se levantar e juntos, pegam o macaquinho e partem para a base Big Table. É nesse momento que tudo de ruim e estranho tem inicio na vida de John e de toda a tripulação da “Grande Mesa”.

UM GAME OBSUCRO

No ano de 1998 o Saturn já não conseguia competir contra o Nintendo 64 e principalmente, com o Playstation 1, tendo vendido em todo o mundo um pouco menos de 10 milhões de unidades. Na Ásia, o Saturn se saiu muito bem e foi um bom concorrente do PS1, ficando até na frente de N64, mas no ocidente o console de 32bit da Sega ia de mal à pior. Com mais de mil títulos lançados oficialmente para o aparelho, cerca de 200 jogos apenas foram foram feitos no ocidente ou localizados, mostrando assim o total fracasso do console por essas bandas.

Mesmo com tudo isso, a Sega resolveu criar um game completamente novo para o Saturn, mostrando o quão capaz era o seu console.

Deep Fear foi lançado somente no Japão e na Europa e nunca foi lançado oficialmente em solo americano, além de ter sido pouco produzido, quase não chegando à 150 mil cópias em todo o mundo e fazendo dele um dos games mais obscuros e caros do aparelho.

Criado para ser uma resposta ao cancelamento de Resident Evil 2 para o Saturn que segundo a Capcom na época, o game não “rodaria tão bem quanto em outras plataformas”, Deep Fear veio para mostrar que sim, o Saturn podia rodar Resident Evil 2 tão bem quanto rodaria no PS1. E mais, a Sega mostrou o quanto Deep Fear era até mais bonito do que o Resident Evil da Capcom.

É muito bom dizer que Deep Fear é um game lindo, levando em consideração as capacidades do console e a época na qual ele foi lançado. Todo o cenário é feito com texturas pré-renderizadas, ou seja, são gráficos 2D colocados em uma superfície 3D. A ambientação é magnífica mostrando o interior da Big Table de várias formas diferentes. O que eu quero dizer com isso é que, a base é bem variada mostrando locais em chamas, escuros ou inundados, sem contar os detalhes nos cenários como mesas, armários, computadores, portas e afins. E por falar em portas, aqui a passagem de um local para o outro se faz de forma parecida com Resident Evil, só que ao invés de ter uma porta se abrindo para mascarar o loading, em Deep Fear é mostrando uma tela preta informando de onde estamos e para aonde estamos indo. Vou dar um exemplo: John está no corredor da base no 2 andar e precisa entrar na sala de reuniões para reportar ao seu chefe sobre o que ele viu no submarino encalhado. Ao entrarmos pela porta, a tela fica preta e aparece a mensagem ” Do corredor para a sala de reuniões” . É algo bobo eu sei, mas para mim é um toque legal que nos faz entender de onde estávamos e para aonde vamos, ajudando a nos perder menos no game.

Os modelos poligonais são bem feitos, levando em conta o poder do Saturn e se mostram bem melhores do que os modelos horrorosos de Resident Evil 1 do próprio console. A movimentação deles são muito boa e é possível ver até algumas expressões faciais deles. Além disso, o game vem em dois discos e não é como em Resident Evil 2 na qual temos duas campanhas, com personagens diferentes, que passam a maior parte do tempo pelos mesmo cenários, mudando apenas alguns detalhes, ordem de itens e alguns inimigos. Deep Fear é muito grande e se passa em vários locais diferentes! Claro, tem aquela velha formula imposta nos primeiros Alone in the Dark na qual temos muito “leva e trás “de itens, chaves e cartões magnéticos que destravam portas e dão acesso à novas áreas. Só que aqui, destravamos muito mais lugares novos do que em Resident Evil 2.

Tem um detalhe super legal nesse game que são as cenas em CGI. Deep Fear está abarrotado de cenas em computação gráfica de primeira! Tem cenas em CGI na abertura, na hora de embarcar no mini submarino, voltando do mini submarino, ao encontrar a doutora… tem cenas em CGI espalhadas em todo o game e isso é muito bom! Isso so mostra o quão brilhante a Sega foi ao conceber esse game.

ANDAR E ATIRAR!

Sim, isso é possível em Deep Fear. Com o botão R, John empunha a sua arma e não precisamos segurar o botão, é apertar uma vez e ele fica com a arma pronta para atirar. Nisso podemos andar livremente pelo cenário com a arma em mãos, podendo fugir do inimigo ou andar e atirar. Também temos um movimento interessante que, ao segurar a arma, podemos dar pequenos pulos para trás e evitar um golpe inimigo, algo que ficou faltando em Resident Evil até a chegada do 5º game da franquia.

Mas fique sabendo que John não irá apenas enfrentar monstro dentro da Big Table. Ele terá que lhe dar com compartimentos inundados, o que limita suas ações e o torna um alvo fácil para os monstros, ou mesmo locais com pouca ou total ausência de oxigênio. No canto superior esquerdo da tela é mostrado o HP de John e encima dele, uma barra de Ar. Em certos locais, temos pouco “AR” e John terá que passar rapidamente por eles ou procurar certas caixas amarelas fixadas na parede que podem reestabelecer o ar do local, ou se estiverem danificadas, reestabelecem um pouco de ar por um curto período de tempo. Em certos locais, essas caixas estão tão zuadas que não podem fornecer oxigênio, obrigando a John usar granadas de ar para poder respirar por algum tempo no local. Essas caixas também servem para fazer “Save game” e garantir que, se morremos logo adiante, nosso progresso esteja guardado e esperando para voltarmos à partir dele.

Em certos locais podemos encontrar alguns armários de ferro, aquele típico armário que são vistos em escolas americanas sabe?! Neles podemos recarregar nossas munições, guardar/pegar itens ou trocar de armas. Mas lembre-se: Nem todo armário tem munições para recarregar nossas armas. À pouco eu havia dito sobre a granada de oxigênio correto? Pois então, existem também certos locais na qual está tomado em chamas e é preciso usar uma granada “extintor” para apagar o fogo e seguirmos viagem. Existe também outras granadas que servem como ataque e podem ser lançadas no inimigo parar matá-los ou pelo menos gerar um certo dano à mais.

ÁUDIO DE QUALIDADE

Eu me lembro muito bem de quando joguei Deep Fear pela primeira vez, foi poucas semanas após o seu lançamento e na época, eu tinha 14 anos e havia me maravilhado com tudo, principalmente com a parte sonora. hoje, após 23 anos do seu lançamento, eu voltei a joga-lo, agora com 37 anos e pude analisa-lo com um senso critico muito mais apurado do que quando eu era um moleque que me maravilhava com qualquer coisa. A parte sonora como um todo é muito boa e muito superior ao visto em Resident Evil 1 e Resident Evil 2. Vi pela internet pessoas dizendo que a atuação de voz foi o que mais estragou no game, mas eu discordo veementemente. Pelo menos para mim, a atuação de voz ficou bem mais natural e combina com cada personagem. Não soa tão “canastrão” como nos dois primeiros RE’s.

Já os efeitos sonoros dos ambientes, músicas e sons de água, gritos e afins ficaram muito boas, bem nítidas e usam bem os canais de áudio que o Saturn possui, dando um clima à mais a ação.

CURIOSIDADE: Agora vai uma sessão fofoca aqui na review. O rosto do personagem John Mayor é praticamente idêntico ao do cantor Brian da banda Backstreet Boys. É clara a referência do rosto do personagem com a do cantor, na época, jovem e fazendo muito sucesso com a banda pela Europa. Outro fato é que o ator de voz de John, ao que me parece, é o mesmo que fez a voz de Albert Wesker no primeiro Resident Evil. Vasculhei a internet por dois dias seguidos e não encontrei nada sobre isso, mas se você comparar as vozes de ambos os personagens, perceberá que a semelhanças são enormes.

UM DOS GAMES MAIS RAROS DO SATURN!

Deep fear, ao lado de Panzer Dragoon Saga e Shining Force 3 tiveram por volta de 1000 à 5000 mil cópias comercializadas em todo o mundo, fazendo dele um game bem difícil de ser encontrado. Em minhas pesquisas percebi que a versão japonesa é até mais fácil de se achar, mesmo tendo um valor bem salgado. Já a versão europeia, é uma fortuna que pode passar fácil da casa dos R$ 4,000 reais. Hoje em dia é possível jogar Deep Fear pelo emulador, mas que não roda tão bem, tendo problemas gráficos, quedas de frame e outros bugs que não existem se você jogar diretamente no Saturn.

Caso opte em jogar pelo próprio Sega Saturn, é possível jogar por um console destravado e chaveado (recurso necessário para rodar jogos gravados em mídia de CD-R, e mudar a chave de região do console para rodar games de outras regiões que não sejam EUA). Também é possível rodar o game gravado em consoles travados, mas é necessário um cartucho chamado “Action Replay” com o programa “Pseudo” instalado nele, pois dessa forma, o seu Saturn poderá rodar o game em CD-R mesmo sendo um console travado. Infelizmente hoje em dia, é a forma mais fácil de se conseguir jogar esse excelente game esquecido da Sega.

VALE À PENA?

Caso você seja um de jogos com temáticas de terror ou é um apreciador dos consoles da Sega, em especial do Saturn e ainda não conhece Deep Fear, por favor, vá atrás de game e veja por si mesmo o quanto esse game é bom, bonito e mostra por A mais B o quanto o console de 32-bit da Sega era capaz, mas que infelizmente por culpa do presidente da Sega of America na época, Ben Stolar, e a busca louca da Sega of Japan de derrubar a Nintendo em uma época na qual quem deveria de ser derrubado era Sony, culminaram no fracasso do aparelho e a debandada de várias produtoras para o PS1. Quando a Sega percebeu, já era tarde demais e infelizmente, seus últimos jogos de Saturn, são os que conseguem extrair 75% de todo o poder que esse belo console tinha à oferecer. Deep Fear com toda a certeza entra com facilidade na lista dos 10 melhores games da plataforma e você caro amigo, deveria de aprecia-lo, nem que seja um pouquinho e ver o quão bom é essa obra prima da Sega.

Canal: NintendoComplete

Deixe um comentário