Análise | Magic Knight Rayearth (Saturn)

Mahō Kishi Reiāsu é um mangá/anime criado em 1993 e que chegou no Brasil por volta de 1997 e ficou conhecida como “Guerreiras Magicas de Rayerth” e que recebeu em sua época dois games: Um para Super Nintendo e o outro para Sega Saturn. A análise de hoje meus amigos, será sobre a conturbada versão do Saturn.  

…..FICHA TÉCNICA

  • Publicado por: Working Designs
  • Gênero: RPG/Ação
  • Série: Magic Knight Rayearth
  • Lançamento: 25 de agosto de 1995
  • Plataforma: Saturn
  • Modos: Single Player

A Revelação 

Guerreiras magicas foram reveladas como um jogo de estreia no Japão para o Saturn, para atender o público que gosta de RPG e também para aproveitar a febre que era o anime naquela época. No mesmo ano a SEGA revelou que traria o game para o ocidente e isso fez muitos fãs ficarem animados pois o anime estava para chegar também ao ocidente. 

Bem, o game saiu no Japão como o combinado, mas não no ocidente por causa do presidente da SEGA of America, Bernie Stolar. Antes desse senhor entrar na SEGA, ele fez parte da equipe Playstation e para ele, jogos japoneses não eram bem vistos pelos americanos e proibiu muitos jogos japoneses e no estilo 2D para o console e ele seguiu essa mesma ideia sem noção com o Saturn e impedia qualquer jogo 2D ou vindos do Japão para o console. Por isso não vemos tantos jogos japoneses localizados para o console da SEGA. Street Fighter, The King of Fighters entre outros nem sequer apareceram no ocidente de forma oficial. 

A SEGA japonesa contornou isso licenciando seus jogos 2D para a Working Designs que ficava responsável em traduzir, fazer o marketing e a distribuição dos jogos de RPG’s e Shum’ups (jogos de navinha) para o Saturn e também para o Playstation 1. A novela começa no momento que a Working Designs tentou negociar os direitos do mangá/anime para a localização do game e bateu na barreira de que no ocidente, a empresa responsável pelos direitos de exibição na TV queria que o game tivesse os nomes das personagens localizados  

como a versão americana, já a empresa japonesa queria que permanecesse os nomes originais japoneses. A empresa também teve problemas na parte da dublagem, já que a versão original, todas as conversas principais eram dubladas e eles não conseguiriam fazer isso com a versão ocidental. Por fim, a Working Designs estava tendo problemas na tradução pois o anime mudou algumas falas do original e a SEGA não queria que as falas no game fossem diferente da versão original (a Working Designs tinham um histórico de mudarem completamente as falas e até mesmo princípios de alguns personagens referente à suas contra-partes japonesas). 

Essa brincadeira durou 3 anos e o game foi lançado no final da vida do console no ocidente e foi praticamente o último jogo do Saturn. 

                                 O JOGO 

Guerreiras Magicas segue o típico RPG de ação que fazia muito sucesso na época e é bem parecido com The legendo of Zelda: A Link to the Past  (Snes) sendo que podemos explorar as vilas, conversar com as pessoas, comprar alguns itens básicos para recuperar HP/MP e depois seguirmos para as dungeons. 

Podemos controlar Hikaru, Umi ou Fuu e cada uma delas representam um elemento: Hikaru é do elemento fogo, Umi do elemento água e Fuu do elemento vento. As batalhas ocorrem em tempo real e não tem mudanças para a tela de combate. Os inimigos aparecem na tela e temos que bater neles para que possam ser derrotados e assim droparem dinheiro ou pequenas esferas que recuperam HP ou MP. Vale lembrar que aqui, não adianta ficar matando vários inimigos para ganhar XP e a evolução de cada garota ocorre de forma automática, ou seja, chegando em certas partes da história, a personagem em questão sobe de nível e sua armadura muda. Então não se preocupe em enfrentar várias batalhas para evoluir rápido. 

Assim como em …A Link to the Past, existem quebra-cabeças nas dungeons que precisam ser completados com a ajuda dos poderes das meninas, por exemplo acender uma tocha para iluminar um local, ou usar os poderes de vento da Fuu para empurrar algum tipo de objeto de uma passagem ou usar estacas de gelo da Uimi para destruir vários monstros ao mesmo tempo. Os comandos são bem fáceis de executar sendo que o botão A serve para ataques físicos, B para pulo, C para magias, X para o dash, Y para ver o mapa, Z para mudar o tipo de magia que vai usar, L e R para mudar qual das personagens você quer usar. 

Já os efeitos sonoros são muito bons e usam muito bem as capacidades em CD do console. Mesmo não tendo todas as falas dubladas como a versão japonesa, ainda sim, cerca de 80% dos diálogos são dublados e até que ficaram bons, se consideramos que na época a dublagem americana era desastrosa, canastrona e horrorosa. Tem vozes canastronas aqui? Tem! Mas boa parte dos dubladores fizeram um excelente trabalho e deixa o jogo mais imersivo. 

Por se tratar de um game de 1995, seus gráficos remetem para aquela época. São gráficos 2D muito bonitos e mostram os personagens piscando os olhos, abrindo a boca ou até mesmo fraseando as magias, mas para a época em que foi portado no ocidente, ele já era muito defasado. Existia no mercado jogos como Shining Force 3, Panzer Dragoon Saga e principalmente Grandia que traziam gráficos lindíssimos para o Saturn e infelizmente Guerreiras Magicas foi brutalmente criticado por aqui. Preciso dizer também que o game é curto e sabendo o que tem de ser feito, com 8 ou 9 horas você consegue completar o game. Sua dificuldade é um pouco baixa, e claramente o game foi pensado para as crianças e o público feminino. 

    VALE A PENA 

Magic Knight Rayearth é um jogo simples e datado até mesmo para 1998, quando foi lançado por aqui no ocidente. Músicas legais, controle simples e uma história típica do “As lendárias guerreiras que salvaram o mundo” fazem desse game uma boa pedida para quem ainda tem um Saturn funcionando. Infelizmente, seus gráficos deixam um pouco a desejar e sua duração é extremamente curta para um game de RPG. É um game inferior à vários outros encontrados no sistema, mas mesmo assim, vale a pena dar uma conferida. 

Vídeo: TheInnocentSinful

Deixe uma resposta