Análise |Tom Clancy’s Rainbow Six: Siege

Siege não é um jogo novo, pelo contrário, o título produzido pela Ubisoft chegou aos consoles em 07 de abril de 2015, contudo, é um jogo que não apenas envelheceu bem, como também é um dos jogos mais jogados na atualidade. Não é a toa que nas últimas semanas muito se falou sobre uma possível aquisição da Ubisoft pela Microsoft, já que R6 Siege é um dos líderes na Xbox Live, o que se viu em seguida foi a chegada do título ao Game Pass da empresa de Redmond, inflando ainda mais o número de jogadores online em R6. Mas por qual motivo R6 é tão jogado?

….FICHA TÉCNICA

  • Desenvolvedora: Ubisoft
  • Publicadora: Ubisoft
  • Série: Tom Clancy’s Rainbow Six
  • Gênero: FPS
  • Lançamento: 3 de Dezembro de 2015
  • Plataformas: PS4, XB1, PS5, XB SX, PC

Partidas rápidas, dinâmicas e com diversas possibilidades de estratégias tornam suas partidas únicas, criando um fator “replay” quase que infinito, enquanto em uma partida você e sua equipe pode ser capaz de repelir com simplicidade a investida inimiga, no mesmo jogo, se a equipe adversária for inteligente o suficiente, poderá suprimir suas ações e colocar sua equipe em situação de vulnerabilidade. Tudo isso acontece em cerca de três minutos, pode parecer pouco tempo se olharmos fora de um contexto, mas dentro de R6 é uma eternidade e evita que uma partida possa se tornar entediante. Ou você ataca e define logo a partida, ou acabará perdendo quando o tempo esgotar, do outro lado, a equipe defensora pode simplesmente fechar todo o local e te aguardar chegar, ou partir para o ataque, já que há quem diga que a melhor defesa é o ataque, ou seja, tudo pode acontecer em cerca de três minutos e é a capacidade de adaptação e coordenação que tornará uma equipe vitoriosa ou não.

No modo “REFÉM” o objetivo é resgatar a pessoa aprisionada ou eliminar a equipe adversária, matar o refém acarreta na derrota.

Apesar de poucos modos de jogo, tais como proteger áreas com bombas; com containers biológicos ou resgatar reféns, é a quantidade de personagens disponíveis e a dinâmica de sua equipe seja ela composta por seus amigos ou por jogadores aleatórios, que traçará o rumo da história.

A lista de personagens disponíveis é digna de um Mortal Kombat

Uma das principais qualidades de R6 Siege é sua jogabilidade, ainda que os operadores tenham habilidades específicas e algumas até de certa forma exageradas tudo atua o máximo possível como um combate real, o dano é o principal chamativo do jogo. Esqueça a chamada esponja de balas, em R6 nenhum inimigo será fuzilado e ainda permanecerá em pé, coletes como os fornecidos, por exemplo, pelo operador “Rook” certamente ajudam, mas não será capaz de te fazer ter a coragem de enfrentar uma inimigo de peito aberto, na verdade, se tentar isso, será a principal causa de suas eliminações. Outros como o operador “Doc” possui uma seringa que lhe permite não apenas se recuperar de danos, mas também de recuperar os pontos de vidas de aliados, mas mais uma vez é importante dizer, não há nada que possa te proteger de um headshot.

Os personagens parecem realmente carregar peso, armas, coletes e todo o aparato militar pesa, e isso torna a jogabilidade ainda mais real, você não verá um jogador correndo desesperado pelo mapa de peito aberto trocando tiro, desviando de balas e eliminando toda uma equipe adversária com uma agilidade de dar inveja ao Flash. Ainda que não sejam raras as partidas onde um único jogador elimina vários adversário, tais atos não são frutos da mentalidade “Rambo”, mas da estratégia e cautela, usando o melhor que cada um dos operadores tem a oferecer.

Sam Fisher não poderia ficar de fora, com uma nova atualização em 2020 ele entrou para a lista de operadores disponíveis em R6

Jogabilidade não é apenas a forma como os controles respondem, mas também toda a mecânica envolvendo o gameplay, e neste quesito R6 Siege é espetacular. Os operadores criam maneiras únicas e totalmente responsivas seja para atacar, seja para proteger. Sam Fisher, por exemplo, o famoso personagem da série Splinter Cell, foi inserido em 2020 com recursos capazes de perfurarem estruturas e garantir a visibilidade da área defensiva, assim, ele poderá marcar e identificar inimigos para toda a equipe de uma distância segura e surpreender os adversários por saber exatamente onde atirar, ainda que não tenha uma clara visão estando do outro lado da janela ou de uma parede perfurável.

Conhecimento é poder. Com a câmera de Zero é possível identificar inimigos e ser efetivo no ataque.

Vale a pena?

Em seu lamçamento, R6 Siege foi bem criticado por problemas na conexção, desbalanceamento e falta de punições para jogadores que entravam nas partidas apenas para tocar o terror, muito matando seus aliados somente por maldade. Mas com o passar dos anos, a Ubisoft conseguiu arrumar o game, deixando cada dia mais competitivo ao passo que nas partidas rápidas era possível se divertir fazendo os objetivos do game sem se preocupar com competições e pontuações. Muitos bugs foram corrigidos e hoje em dia, poucos são os encontrados nas partidas. O gameplay é muito gostoso e fácil de se aprender, mas que exige um pouco de aprodundamento por parte do jogador para saber qual personagem se enquadra melhor na situação do objetivo. Dois personagens novos foram ascrecentandos recentemente no jogo: Sam Fisher que pode colocar câmeras em certas partes do cenário e espionar outros jogadores e assim, revelar as suas localizações para os aliados, e a Akane, uma moça que pode colocar armadilhas laser em portas e janelas, o que dificulta a entrada dos inimigos.

Hoje em dia, R6 Siege se encontra em um ótimo valor, que varia de R$ 79,99 para as versões básicas, e R$ 119,99 para as versões Deluxe. Mas independente da versão que pegar, do console que pegar, saiba que hoje em dia R6 Siege é muito divertido, ainda mais se jogado com amigos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *